Total de visualizações de página

Translate

Google+ Followers

VIOLÊNCIA CASEIRA

(http://in-justicabrasileira.blogspot.com.br/p/frases-sobre-justica.html)

Quem acompanha os noticiários diariamente pode observar que aumentou sensivelmente o número de casos de crianças mortas em conflito direto com os órgãos de segurança pública. São casos, geralmente, de grande repercussão e que acabam ganhando grande importância na mídia sensacionalista que, quase sempre, decreta o veredito contra as instituições de segurança antes mesmo que qualquer laudo técnico seja emitido. Mas não quero discutir as polêmicas coberturas e a questão do certo ou errado.
O que chama muito a atenção nestes casos é a total conivência dos pais com o comportamento errático dos filhos. A declaração de uma das mães foi a síntese de todo o pensamento: “Eu sabia que meu filho andava com más companhias. Mas isso não justifica ele ser morto”! Concordo com esta senhora em relação à pena capital e me compadeço de sua dor. Mas ela dizer abertamente que tinha conhecimento que o filho andava em más companhias? Há algo de errado no paraíso, senhores!
Em que tipo de sociedade vivemos em que uma mãe é complacente com as atitudes delinquentes de seu filho? Em que momento a humanidade perdeu seu senso de criação de suas crianças? Como pode uma mãe simplesmente assumir que tinha conhecimento das condutas erráticas do filho e não ter tomado nenhuma atitude? Por que não coibiu tais atitudes?
A verdade, desculpem-me os que pensam o contrário, é que vivemos uma atualidade de pais lenientes com seus filhos. Isto se reflete em leis e mais leis polêmicas como a da palmada. Isso se reflete na sala de aula (vide post Educação) onde os pais reprimem professores que são mais rigorosos, sejam nos estudos ou na forma de cobrar a disciplina em sala. Tornamos-nos uma sociedade anticorreção! Aos poucos estamos caminhando para a proibição de ensinar o certo ou errado à criança. Deixá-la descobrir por si só o conceito de certo errado. O puro e utópico construtivismo! E enquanto isto crianças aderem ao tráfico, ao consumo de entorpecentes, às quadrilhas, cometendo ilícitos de toda a ordem sem qualquer forma de punibilidade. E os pais em seu refúgio legal, lenientes de tal forma, que expõem toda sociedade ao risco! E não há leis que punam estes pais por sua inércia!
Somado a isto temos uma sociedade com sérias tendências anárquicas. Um povo que não liga para a polícia para informar que o vizinho está sendo assaltado, mas que ao ver uma abordagem policial, logo retira seu aparelho celular para gravar a ação de forma a coibir possíveis abusos! Viramos uma sociedade antipolícia! E esperamos realmente nos tornarmos uma civilização um dia com esta atitude?
A verdade é que o problema da violência em nosso país é caseiro. Seja na forma como criamos nossos filhos, seja na forma como aceitamos de bom grado as manchetes tendenciosas, seja com nossa inércia diante dos verdadeiros criminosos e nossa forma de julgar quem se arrisca para nos proteger. A verdade é que, em diferentes graus, todos somos cúmplices deste estado de guerra em que vivemos.

Comentários

  1. Podemos constatar que a maioria das mazelas sociais desse país têm sua origem da falta de educação e na precariedade da formação do indivíduo. As famílias estão cada vez mais omissas e coniventes com a delinquência dos filhos. Paralelamente, as leis cada vez mais obsoletas e permissivas que favorecem o crime.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isto. Isto é fruto de uma inversão de valores que tem ocorrido no seio da sociedade incentivado pela grande mídia.
      Obrigado pela visita!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas